desenvolvimento

No meio daquela agitação, Kaylla esqueceu completamente o caminho que dava acesso à sala e desesperada percorreu a universidade inteira. Enquanto caminhava pelos corredores, deixou-se levar por pensamentos inquietos que a fizeram sentir-se abandonada. Subitamente, esbarrou-se numa garota que subia a escada às pressas. Muito triste, pediu desculpas e ajudou-lhe a recolher os objectos. O sorriso amigável daquela colega atraiu a sua confiança e fez com que pedisse ajuda.

Marta era o nome dela e era de São Vicente. Após algum tempo de conversa, ficaram surpreendidas ao descobrirem que iam frequentar o mesmo curso. Kaylla ficou muito feliz. Assim, apressadamente, ambas dirigiram-se para a sala.

Ao chegarem, todos centraram a atenção nas duas e depois das apresentações, ocuparam a primeira carteira. A beleza da Kaylla era radiante e a Marta era inconfundível pela sua agradável simpatia. A partir daquele dia, andaram sempre juntas, formando assim uma dupla perfeita. O charme que elas possuíam sempre despertava a atenção dos garotos, o que as orgulhava sobremaneira.

Mesmo não estando à espera, nos primeiros dias de aulas, as coisas correram maravilhosamente bem à Kailla. Pois, conheceu muitas pessoas, encontrou conhecidos e aquela ansiedade dos primeiros dias de aula passou. Mas, continuou com aquela vontade de contar as novidades aos pais e principalmente à Miriam e ao Mauro, como foram os seus primeiros dias como universitária.

Todos ficaram felizes por saber que começara a adaptar-se, e os pais muito preocupados sempre a relembrava dos bons princípios e valores adquiridos junto deles. Kaylla como sempre reagia favoravelmente aos conselhos e prometia acatá-los.

Quando se sentia só, o seu melhor amigo era o seu diário. Ela falava-lhe da saudade que sentia dos pais, dos amigos e claro, do seu cachorro Bob. A tarde, ela tinha livre. Passava esse tempo em casa a pesquisar e a fazer as coisas de que gostava: ler, escrever, ouvir música, cantar e tocar guitarra.

Ainda na fase de adaptação, teve a oportunidade de conhecer o regulamento, fazer novos amigos, enfim, tudo o que acontecia era motivo de muita alegria, pois cada dia que passava tinha mais novidades para contar às pessoas queridas que estavam na sua ilha natal.

Entre todos os amigos que fez, teve mais apego à Marta. Elas andavam e faziam os trabalhos, sempre juntas. Ambas eram inteligentes e tiveram bons resultados no 1º semestre e nas férias foram para a respectiva ilha natal. Comunicavam sempre por telefone e facebook e ansiavam pelo início do ano lectivo para se reverem.

Kaylla estava muito feliz ao lado da família, amigos e aproveitou as férias também para passear e visitar parentes. Porém, os pais, muito atentos ao seu comportamento, notaram que alguns dos bons princípios que sempre nortearam a sua vida estavam um pouco destorcidos. Ela já não se importava em dar satisfações aos pais quando saía, chegava mais tarde do que o habitual e para além disso dormia a altas horas da noite por estar no facebook ou vendo filmes e o seu vestuário já não era o mesmo. Com todas essas mudanças os pais ficaram abalados.

Mas tinham que fazer alguma coisa. Assim, conversaram com a tia que se responsabilizava por ela na Praia, que, por ser muito modesta, afirmou que não tinha reparado nada de errado na sobrinha. E o que importava era que ela tirasse boas notas, e como jovem e maior de idade, poderia divertir-se como bem quisesse usufruindo assim dos prazeres da juventude. Perante esta situação, os pais ficaram atónitos. Efectivamente, as companhias e o ambiente estavam a condicionar o comportamento indesejável da filha.

A Miriam e Mauro acharam que Kaylla se transformara numa adolescente mais contemporânea, com novas visões do mundo. Por isso, aproveitaram as aventuras que ela propunha e também notaram mudanças negativas. O comportamento da amiga, em público, era ainda mais imprudente e a indumentária muito reveladora.

Com tais mudanças, tanto os pais como os amigos quiseram conversar. Mas, Kaylla consciente disso, esquivou-se até chegar o dia do seu regresso a Praia.

Depois das férias, reencontrou os colegas e a Marta, sua amiga especial, e puseram-se ao corrente de tudo quanto tinham feito durante aquele período.

Os meses do 2º semestre foram passando, e os trabalhos escolares foram-se acumulando. Pois, com muita pressão da Marta e das outras amigas para saírem à noite, acabou por ceder, deixando de lado as actividades escolares em detrimento da diversão.

A tia era uma empresária muito ocupada e confiava na sobrinha e na sua capacidade, por isso não se apercebeu.

Já os pais muito preocupados, lembravam sempre à filha do seu sonho de ser uma bióloga marinha e da sua vontade de ter um aquário onde podia coleccionar as suas espécies favoritas.

Kaylla sentia um vazio ao ouvir tais conselhos, pois ela notava que estava a fazer totalmente o contrário. Ela sentia-se como se estivesse a sair de um caminho seguro para cair num precpício. Esses pensamentos vinham à tona enquanto meditava, recordando o sonho que sempre teve e os conselhos dos pais. Quando estava com a Marta e as outras esquecia-se de tudo.

Para além destes factos a situação iria piorar, porque conheceu um rapaz de nome Tiago que trabalhava como secretário na mesma empresa que a tia. Para Kaylla ele era um grande rapaz, possuía uma beleza inconfundível, mas não tinha bons princípios. As circunstâncias aproximaram-nos e começaram a namorar, o que deixou a Marta surpreendida. Como as coisas tinham mudado!

Nesse semestre, os resultados das provas e dos trabalhos foram maus, mas não se importou. Estava muito apaixonada pelo Tiago, a tia que já tinha aprovado o namoro, comunicou aos pais que ficaram chocados, uma vez que a filha não lhes tinha contado nada.

A filha já tinha 20 anos e estava quase a terminar o 2º ano do curso, estava crescida e portanto julgava-se independente e responsável por tudo o que fazia. Já não ouvia os conselhos dos pais.

Aos olhos de Tiago, Kaylla era uma jóia bela e decidida; para Marta ela figurava-se como líder do grupo. Ela comportava-se como uma rainha, ditava as regras e decidia pelo grupo. Não aceitava opiniões nem correcções; revelou-se uma rebelde inconfundível.

Ela, por essa altura, já nem ponderava ficar ao pé do telefone e muito menos falar com os pais. Passava todos os fins-de-semana com o Tiago em São Domingos, acompanhados por vezes das amigas.

Ao aclimatar-se a esse estilo de vida devassa e sem responsabilidades, a tia apercebeu-se do que verdadeiramente estava a passar, sentiu-se culpada e por isso decidiu aconselhá-la. Entretanto, já era tarde. A rebeldia já tinha tomado conta dela e, orgulhosa como era, não quis ser corrigida.

Logo as consequências começaram a vir à tona. Primeiro reprovou em três cadeiras por faltas e descobriu a seguir que estava grávida de duas semanas. Viu o peso nos ombros e desesperada não sabia o que fazer. Como contar aos pais e à tia?

Quanto à Miriam, já não podia contar com ela porque tinha emigrado para os EUA. Tinha medo de contar à Marta, porque sabia que ia incentivá-la a abortar. Mas, foi exactamente o que aconteceu. Ela foi fazer legalmente, mas às escondidas do Tiago, da Tia e dos seus pais.

Infelizmente, começava a colher os frutos da sua rebeldia. Tudo na sua vida estava de avesso, e a sua tentativa não deu certo. Os médicos diagnosticaram-lhe hemoglobina baixa e agravamento dos problemas do coração. Por isso, ficou internada e a sua tia, os seus pais e o Tiago souberam do que tinha acontecido.

Todos ficaram surpreendidos. A tia e o Tiago sentiam-se culpados e a Marta cúmplice de toda a história. Quanto aos pais, estes estavam fora de si, decepcionados. Foram enganados e sentiam-se profundamente magoados e mesmo sabendo da situação em que a filha se encontrava não se dispuseram a ajudá-la; isso como forma de castigo, e esperavam que viesse a deixar de lado o orgulho que adquiriu e pedisse perdão pelos seus erros.

Kaylla, uma adolescente de bons princípios e valores, por má influência, muda radicalmente sua personalidade, afastando os mais queridos – os pais. Conseguirá recuperar o bom carácter e reconquistar a confiança destes?

Acompanha o desfecho desta intrigante história no próximo post.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s